Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo

 
 

Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo

 

 
 
Os olhos e a visão na criança são suscetíveis a vários problemas, muitos dos quais específicos dessa idade. 5% a 7% das crianças com idade inferior a 5 anos tem defeitos refrativos significativos (necessitando de correção com óculos) e essa percentagem aumenta com a idade. 20% das crianças maiores têm problemas de visão suscetíveis de interferir com o rendimento escolar. Outras patologias frequentes são: ambliopia (olho preguiçoso), estrabismo (desalinhamento dos eixos visuais), epífora congénita (lacrimejo, provocado pela não abertura do ducto lacrimonasal), conjuntivites bacteriana, vírica e alérgica, etc. Exemplos de patologias mais raras e graves são as cataratas congénitas e cataratas infantis, o glaucoma congénito e o retinoblastoma.

A ambliopia (ou olho preguiçoso) é o resultado de um imperfeito desenvolvimento do sistema visual imaturo, motivado por uma incorreta ou assimétrica estimulação ocular e manifesta-se por uma diminuição da acuidade visual de um ou ambos os olhos. As principais causas de ambliopia são o estrabismo e a anisometropia (graduação diferente nos 2 olhos). Tendo origem na idade infantil, a ambliopia é um problema comum e que persiste por toda a vida, a não ser que detetado e tratado precocemente.

Estrabismo (olhos "trocados") é quando os olhos apontam em direções diferentes. Para evitar ver duas imagens, o cérebro da criança ignora a imagem proveniente do olho desalinhado, o que impede a visão deste de se desenvolver normalmente.

Defeitos refrativos são alterações da visão que podem ser corrigidas com óculos. Quando a córnea ou o cristalino não focam a luz na retina, a visão é turva. Na miopia vê-se bem ao perto, mas mal ao longe; na hipermetropia vê-se melhor ao longe do que ao perto (a maioria dos bébés e crianças pequenas tem uma hipermetropia ligeira sem visão turva, isto porque os seus olhos conseguem focar de forma a ter uma visão clara quer ao longe, quer ao perto. Com o crescimento, esta hipermetropia geralmente diminui); No astigmatismo, a visão é desfocada, quer para longe, quer para perto (os objetos podem parecer demasiado altos, estreitos, ou largos). Defeitos refrativos elevados em ambos os olhos, bem como um defeito significativamente maior num olho que noutro (situação em que a visão da criança parece excelente, porque esta usa ambos os olhos), fazem com que a visão não se desenvolva corretamente.
 
 
 
Catarata: algumas crianças nascem com uma catarata, que significa uma lente natural (cristalino) pouco transparente. Também isto pode impedir a visão de se desenvolver normalmente nesse olho.

Idades aconselhadas para a consulta de Oftalmologia na criança:
- Primeiro rasteio visual aos 1 a 2 anos de idade
- Consulta de oftalmologia aos 3 a 4 anos de idade

Detetar a ambliopia: verificar se a visão difere entre os 2 olhos. Em crianças pequenas, o oftalmologista pode tapar um dos olhos e verificar a forma como ela segue um objeto que se move. Se uma criança vê mal de um olho, ela reage muito pior quando se tapa o olho “bom” do que quando se tapa o “mau”. O oftalmologista fará um exame ocular completo, procurando outos problemas oculares suscetíveis de afetar a visão

Tratar a ambliopia: Em muitos casos, é indispensável o uso de óculos desde cedo. Noutros, mais raros, é necessário cirurgia. A ambliopia é tratada obrigando a criança a usar o seu olho “preguiçoso”. Isto é realizado tapando o olho melhor com um penso, ou diminuindo a visão do olho melhor com gotas ou lentes especiais. Leva geralmente várias semanas a vários meses (tanto mais tempo quanto mais velha a criança) a “fortalecer” a visão do olho “preguiçoso” e pode ser necessário manter uma oclusão de um par de horas diários por vários anos, para manter essa visão. A ambliopia deve ser tratada o mais cedo possível, de forma à criança poder desenvolver uma visão normal.

O oftalmologista pediátrico é um especialista em Oftalmologia com treino específico na patologia ocular da criança e nas especificidades do seu desenvolvimento visual, acompanhando-a do nascimento até à idade adulta.